Com o lançamento em outubro do CTP2 do "Velocity" algumas novidades foram inseridas como a interface de administração baseada em Power Shell 1.0. Este post visa apresentar os principais componentes físicos do projeto e suas terminologias.

O "Velocity" é uma série de componentes interligados que podem ser instalados em um ou mais servidores e que são enxergados pela aplicação cliente como um único repositório de dados em memória

O core do "Velocity" é um serviço Windows instalado em cada um dos nós do cluster. Outros componentes são os scripts Power Shell para administração do cluster e o repositório de configuração do cluster.

Componentes Físicos

Cache Hosts: O "Velocity" roda em uma ou mais máquinas físicas, ou Hosts, como um Windows Service.

Cache Cluster: É o conjunto de instâncias, nós ou Hosts que se comunicam e são enxergados como um único repositório de dados em memória.

Cluster Configuration Storage Location: Local aonde as informações como tamanho de memória por nó do cluster, endereço dos nós do cluster na rede estão armazenadas. No CTP1 somente era possível utilizar o XML configuration file. Já no CTP2 pode-se utilizar o SQL Server database, SQL Server Compact data file, ou o próprio XML configuration file.

PowerShell-Based Cache Administration Tool: No CTP1 a administração do "Velocity" era feita via uma aplicação console que não suportava scripts, o que limitava algumas tarefas administrativas. Já no CTP2 o Power Shell 1.0 ou o 2.0 (beta) são o ambiente de administação do "Velocity" com uma série de scripts para iniciar e parar o cluster, adicionar novas máquinas no cluster entre outros.

O próximo post será sobre os componentes lógicos do Serviço de Cache do "Velocity".

Abraços,

Daibert

Anúncios